O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Ilê Mulher para jovens e adultos (18 a 59 anos), em situação de rua foi instituído pela resolução nº 13 de 13 de maio de 2014, do Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS. O serviço visa o fortalecimento de vínculos e oferta de espaços de referência para o convívio grupal, comunitário e social desenvolvendo relações de afetividade, solidariedade e respeito mútuo.

A implementação deste serviço se deu pela necessidade do resgate de vínculos pela potencialização das particularidades de grupos e indivíduos, reinserção social e pela prática contínua na busca da cidadania. Além de assegurar à valorização desses indivíduos e resgatar  suas culturas e vivências que contribuem com o desenvolvimento do sentimento de pertença e identidade.

O SCFV Ilê Mulher  funciona  de segunda à sexta, das 09h às 11h30 e das 13h às 17h, atendendo cerca de 90 pessoas por dia (45 vagas pela manhã e 45 à tarde). No espaço são ofertas as seguintes oficinas: Música, Rádio, Artes, Fotografia, Teatro, Inclusão Digital, Cidadania, Redução de Danos, Saúde Corporal, Projeto de Vida e Capoeira Angola. Oferta também o Grupo de Convivência “Viver e Conviver” (ministrada pela nossa assistente social Vanessa Ribeiro), e o Cine Ilê que ocorre todas as sextas à tarde (o filme é escolhido pelos usuários). O serviço fica localizado na  Rua Santo Antônio, no bairro Floresta , Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Para mais informações: 51 3574-0591.

Sobre as Oficinas: 

Capoeira Angola 

A oficina de Capoeira Angola ofertada pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Ilê Mulher objetiva o desenvolvimento  da identidade étnica político-social de cada oficinando, além de potencializar suas habilidades e a auto-estima.

Pelas vivências compartilhadas pelo Trenel Maskote (Africanamente Escola de Capoeira Angola) , durante a oficina, os usuários percorrem e se aprofundam pela cultura africana, o que fortalece a cultura anti-racista. Promovendo assim,  a resistência individual e coletiva a toda forma de opressão, através de ações que estimulem a pesquisa, o resgate , a preservação e a socialização  dos valores afro, como via de reflexão e aprendizagem para uma transformação pessoal e social.

A oficina ocorre todas as quartas das 09h às 11h30 e das 14h às 16h30.